Quais são os melhores fundos de ações para investir?

Investir em fundos de ações é uma boa forma de diversificar seus investimentos e alocar um pouco do seu patrimônio em renda variável, como forma de poder colher os frutos dos ciclos de crescimento da economia.

Eles são uma ótima opção para quem não tem muito dinheiro ou ainda não sabe muito bem como o mercado financeiro funciona.

Quer saber como escolher os melhores fundos? Então continue a leitura!

O que são fundos de ações?

Fundos de investimento são meios para se aplicar em ativos financeiros sem precisar comprá-los diretamente — um gestor especializado será encarregado dessa tarefa.

Fundos de ações, por sua vez, são aqueles que investem pelo menos 67% do seu patrimônio líquido em papéis desse tipo. São recomendados para investidores de perfil moderado ou arrojado, que não têm problemas com os riscos da aplicação.

Quais são as vantagens?

  • Investimento inicial baixo;
  • simplicidade de operação;
  • pagamento de Imposto de Renda facilitado;
  • maior diversificação;
  • gestão especializada.

Quais os tipos de fundos de ações existentes?

Podemos fazer uma divisão bastante simples entre os fundos de ações: os de gestão passiva e os de gestão ativa.

Fundos de gestão passiva são aqueles que investem em uma carteira pré-definida, como, por exemplo, as ações que compõem o IBrX-50, que reúne as 50 ações mais negociadas da B3.

Fundos de gestão ativa, por outro lado, são aqueles em que a equipe responsável pela compra dos ativos estuda o mercado e procura os melhores negócios, de acordo com uma estratégia definida no regulamento do fundo.

A intenção quase sempre é superar um indicador de referência, como o Ibovespa, por exemplo.

Como descobrir quais são os melhores fundos de ações?

Na hora de investir, você precisa analisar alguns pontos do fundo antes de colocar seu dinheiro nele.

1. Consulte o histórico de rentabilidade do fundo

Rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura, mas é uma forma de entender como a gestão é feita e se a equipe responsável por essa tarefa tem demonstrado competência em seu trabalho.

2. Evite investir em fundos de ações da moda

Não escolha um fundo de investimento apenas porque ele rendeu muito nos últimos meses. Talvez seja tarde demais para aproveitar a alta daquelas ações. Ao analisar a rentabilidade passada, olhe para períodos mais extensos, de três anos, no mínimo.

3. Confira a taxa de administração

A taxa de administração é uma porcentagem do valor investido que é retida pelo fundo para remunerar a equipe gestora e custear as despesas operacionais. Ela pode ter um impacto considerável nos rendimentos.

Por isso, prefira fundos que cobram taxas mais baixas, principalmente no caso de gestão passiva. Produtos distribuídos por corretoras independentes costumam ter custos menores.

4. Saiba se o fundo se encaixa no seu perfil de investidor

Investidores mais moderados devem escolher fundos com volatilidade menor. Uma boa sugestão são os fundos de dividendos, que escolhem as empresas que mais distribuem lucros na bolsa e, por isso, apresentam uma volatilidade menor.

Quem tem um perfil mais arrojado ou agressivo, por outro lado, pode optar por fundos de gestão ativa, que tomam riscos maiores para tentar alcançar rentabilidades acima da média.

O investidor que procura uma opção para construção de patrimônio a longo prazo, por sua vez, pode optar por investir em um ETF, fundos de ações de gestão passiva cujas cotas são negociadas em bolsa. Eles têm as menores taxas de administração do mercado, o que permite uma rentabilidade acumulada maior.

Com essas dicas e explicações, acreditamos que investir em fundos de ações vai se tornar uma tarefa bem mais fácil para você! Outra boa sugestão é acompanhar os rankings de melhores fundos e também classificações, como a feita pela agência Morningstar.

E você, já investiu em produtos desse tipo? Como foi sua experiência? Compartilhe nos comentários!

Sobre o Autor

LiveCapital

LiveCapital é um gerenciador de investimentos que ajuda você a controlar online todas as suas ações, derivativos, fundos, renda fixa e outros ativos.