Plano de investimentos para 2019 – Comece agora!

Com o final do ano se aproximando, é hora de resolver as pendências e tirar do papel os planos que vinham sendo postergados há tempos. Uma resolução que não pode faltar em sua lista de coisas para fazer antes de o ano acabar é montar o seu plano de investimentos, caso ainda não tenha um.

Quer saber mais sobre esse assunto e aprender como elaborar um plano de investimentos? Vem que a gente te explica!

O que é um plano de investimentos

O plano de investimentos nada mais é do que um planejamento detalhado dos investimentos pessoais ou corporativos para o curto, médio, e longo prazo. Ele indica como e onde se deve investir para atingir determinado objetivo.

No plano, devem constar os objetivos bem delimitados, como a compra de um carro ou de uma casa, uma viagem internacional, a faculdade dos filhos ou qualquer outra meta realizável. A partir disso serão traçadas as estratégias para alcançar o objetivo desejado. Com um plano de investimentos bem amarradinho, é mais fácil decidir quanto será investido e onde é melhor alocar o capital disponível para ter melhores retornos. 

Por que você deve ter um plano de investimentos

O cenário econômico brasileiro está instável e, em tempos de crise, é ainda mais importante saber administrar as finanças de uma maneira inteligente. Para fugir de apertos, é necessário controlar bem seu dinheiro e, principalmente, saber como investir para fazer com que ele renda mais.

Com um bom plano de investimentos, é mais simples conquistar segurança financeira e até mesmo realizar sonhos que pareciam inalcançáveis. 

Como criar seu plano de investimentos antes que o ano acabe

Não basta simplesmente aplicar dinheiro e esperar que os rendimentos caiam do céu! Para ter um resultado satisfatório nos investimentos, é preciso organização, método, paciência e uma pitada de ousadia. Em suma, é preciso conhecer o mercado financeiro e saber se planejar.

Confira abaixo um pequeno passo a passo para você elaborar o seu plano de investimentos o quanto antes!

Avalie o cenário 

Antes de investir, você tem que saber exatamente de quanto dinheiro dispõe. Por isso, o primeiro passo é organizar suas finanças e controlar o orçamento de modo a enxergar com clareza o quanto será possível poupar todos os meses para aplicar em seus investimentos. 

Dica extra: tenha uma reserva de emergência que cubra seus gastos por alguns meses antes de começar a investir para valer, afinal, nunca se sabe o dia de amanhã e ninguém está a salvo de imprevistos. Já ensinamos como montar sua reserva emergencial para salvar vidas, clique aqui para ler a postagem! 

Entenda qual é o seu perfil de investidor

Para um planejamento alinhado com seus objetivos e expectativas, é preciso saber o seu perfil de investidor para determinar o quão disposto a correr riscos em prol de uma boa rentabilidade você está. 

Os investidores de perfil conservador devem focar suas atenções em aplicações mais seguras, como os títulos de renda fixa; os moderados podem mesclar a segurança com a rentabilidade e os investidores de perfil mais agressivo estão liberados para ousar mais e optar por ativos considerados mais arriscados. 

Defina objetivos realistas

Já diria Lewis Carroll que, quando não se sabe para onde se quer ir, qualquer caminho serve. Por isso, é necessário definir metas palpáveis e alcançáveis. Elas te darão um direcionamento e apontarão os caminhos a serem traçados para organizar seus investimentos. 

Não se esqueça de que essas metas e objetivos nortearão o seu plano de ação, por isso, preste muita atenção nessa etapa. O melhor, na maior parte dos casos, é estipular uma estratégia de aportes periódicos e em aplicações variadas.

Faça um cronograma

Para ter sucesso nessa empreitada, é preciso estabelecer um cronograma para seus investimentos. Para isso, você deve pensar em quanto tempo pretende alcançar seus objetivos financeiros e, com base nisso, decidir quanto precisa investir para cumpri-los.

Vale lembrar: se você quiser retornos rápidos, o ideal será focar mais em aplicações de alta rentabilidade, que costumam oferecer mais riscos. Já se estiver disposto a lucrar devagar e sempre, deverá dar preferência a investimentos de longo prazo. 

Diversifique sua carteira 

Diversificar sua carteira de investimentos é muito importante para proteger seu capital e garantir uma boa rentabilidade. A ideia é investir parte do dinheiro em aplicações mais seguras para trazer solidez e segurança, e outra parte em ativos mais voláteis, como as ações. 

Essa é a melhor maneira de evitar prejuízos financeiros, pois as perdas geradas por um investimento podem ser compensadas pelos ganhos em outro. Já demos dicas valiosas a esse respeito, clique aqui para relembrar.  

Estude sobre investimentos e o mercado financeiro 

Para não perder dinheiro, é preciso compreender como funciona o mercado financeiro. Por isso, estude bastante, pesquise e entenda os princípios básicos e descubra o que pode funcionar melhor no seu caso.

Investir em educação financeira é o melhor caminho para controlar suas finanças. Não se esqueça de procurar ajuda especializada quando necessário. Por exemplo: contar com um gerenciador universal de investimentos, como o LiveCapital, pode ser bem útil para quem quer controlar e multiplicar seu capital de uma forma rápida e descomplicada.

Monitore seus resultados e faça ajustes quando for necessário 

Não encare seu plano de investimentos como absoluto e imutável. Para ter bons retornos financeiros, é necessário monitorar os investimentos ao longo do tempo e verificar se eles estão progredindo. Se os retornos não estiverem correspondendo às expectativas, pode ser necessário reavaliar sua estratégia e corrigir possíveis falhas. Não se preocupe em ter que mudar a rota, pois até o melhor plano de investimento pode sofrer mudanças por diversos motivos. 

 

Seguindo essas dicas, nem vai ser preciso usar amarelo na virada do ano para garantir prosperidade em 2019! 

 

Sobre o Autor

LiveCapital

LiveCapital é um gerenciador de investimentos que ajuda você a controlar online todas as suas ações, derivativos, fundos, renda fixa e outros ativos.