O Tesouro Direto é para você? Confira!

O perfil do investidor do Tesouro Direto está se diversificando ao longo do tempo. Se, alguns anos atrás, a esmagadora maioria dos investidores dessa modalidade eram homens, ultimamente as mulheres estão ganhando mais projeção. No que se refere à faixa etária, mais de 60% dos investidores do Tesouro têm entre 26 e 45 anos, mas a proporção também está aumentando entre o público mais velho.

Por se tratar de uma aplicação bastante segura e relativamente simples de operar, o Tesouro Direto é mesmo muito democrático. Entretanto, para algumas pessoas, esse pode não ser o investimento ideal. Quer saber se o Tesouro Direto é ou não é para você? Então é só continuar lendo este post.

Rentabilidade não é tudo

Se você olha apenas para a rentabilidade de um investimento, e só está considerando o Tesouro Direto porque acabou de descobrir que ele é uma opção mais vantajosa do que a poupança, talvez ele não seja para você. Isso porque, para enriquecer, nem sempre a rentabilidade é o fator mais importante. Ao contrário, a melhor forma de ganhar dinheiro “rápido” é trabalhando o suficiente para suprir suas necessidades e conseguir poupar alguma quantia.

O Tesouro Direto não faz milagres! Ele será uma ótima maneira de investir seu dinheiro, sim, mas se você estiver cheio de dívidas, esperando que as riquezas caiam do céu ou se tiver muita pressa para colher os frutos da aplicação, ele não mudará a sua vida de uma hora para outra. 

Poupar dinheiro é fundamental para o sucesso

Ainda retomando o mote da primeira dica, é preciso dizer que, se você não for capaz de economizar dinheiro, de nada adiantará saber tudo sobre investimentos. Sem saber como alocar seus recursos de forma inteligente e poupar no dia a dia, não sobrará quase nada para aplicar no Tesouro Direto e, logicamente, os resultados serão frustrantes.

Dominar a arte de gastar menos do que se ganha e guardar o que sobra, além de garantir a independência financeira, também assegura que, em caso de emergências, você não ficará em apuros.

Além disso, ter um padrão de vida mais econômico permite juntar dinheiro para investir pensando no futuro. Isso pode viabilizar a realização de um grande sonho, como uma viagem internacional, um apartamento ou até mesmo o financiamento dos estudos dos filhos. 

Existem taxas envolvidas

Se até mesmo declarar o imposto de renda é um pesadelo para você, saiba que, para investir no Tesouro Direto, existem taxas e tributos envolvidos, que precisam ser levados em consideração na hora de fazer o investimento. 

Qualquer investimento em títulos públicos é passível de cobrança de imposto de renda sobre os rendimentos, de acordo com a tabela regressiva válida para as aplicações financeiras. Se as aplicações forem de curto prazo, com data de vencimento inferior a 30 dias, também incide sobre elas a cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre a rentabilidade.

No que diz respeito às taxas, o investimento no Tesouro Direto está sujeito à taxa de custódia que remunera a guarda dos títulos na Bolsa e é obrigatória. A quantia cobrada é de 0,3% ao ano em cima do valor investido. 

Além dessa taxa, grande parte das corretoras também cobra uma taxa administrativa que pode ser de até 0,5% ao ano sobre o patrimônio aplicado, mas não é uma regra. Hoje em dia, várias corretoras do mercado isentam o investidor dessa cobrança.

Tudo isso deve ser colocado no papel na hora de investir em títulos do Tesouro Direto. Se você não quer se preocupar com essas questões, talvez esse investimento não seja para você. 

Não se deve vender o título antes de o investimento completar 30 dias

Embora os títulos do Tesouro Direto tenham liquidez diária, não é interessante fazer o resgate antes dos primeiros 30 dias de investimento, já que haverá a cobrança do IOF que pode fazer com que, no fim das contas, o investidor fique no zero a zero.

Por isso, se você acha que precisará retirar o dinheiro em curtíssimo prazo, é melhor não optar pelo Tesouro Direto nesse momento. 

Dificilmente se ganha rios de dinheiro de uma hora para outra

Esqueça O lobo de Wall Street! Se o seu objetivo é ganhar enormes quantias de dinheiro em algumas poucas operações, o Tesouro Direto talvez seja uma opção conservadora demais. Em geral, os investimentos de renda fixa apresentam boa rentabilidade mas, para alcançar ganhos muito altos em pouco tempo, é preciso correr maiores riscos com os investimentos no mercado de ações, por exemplo.

Aplicações de renda variada podem ser melhores opções se você estiver disposto a correr mais riscos em prol de grandes retornos – mas não se esqueça de deixar uma parcela do seu patrimônio investido na renda variável, só por garantia. 😉

 

Como você deve ter percebido, na maioria das situações, vale muito a pena investir no Tesouro Direto, já que se trata de uma aplicação simples, que oferece uma rentabilidade interessante e, ainda assim, consegue garantir a segurança do investidor. Esse é um dos investimentos que pode figurar na carteira de investidores de todos os perfis, já que dentro do programa existem títulos variados, com um grau maior ou menor de variação. 

E não se esqueça: se precisar de uma ajudinha para gerenciar seus investimentos como um profissional, invista em uma solução como o LiveCapital. Assim, você controla tudo, de qualquer lugar. Clique aqui para saber mais! 

Sobre o Autor

LiveCapital

LiveCapital é um gerenciador de investimentos que ajuda você a controlar online todas as suas ações, derivativos, fundos, renda fixa e outros ativos.