Bolsa de valores - 5 dicas de como investir

Vai investir na bolsa de valores? Veja essas 5 dicas!

Ao buscar um investimento alternativo e realmente lucrativo (já que a rentabilidade da caderneta de poupança e do CDB, por exemplo, são bem pequenas), cada vez mais pessoas vêm enxergando a possibilidade de obter lucros verdadeiros investindo na bolsa de valores, um investimento capaz de oferecer um alto retorno com um risco nem sempre tão alto.

Você pretende investir na bolsa de valores? Então continue a sua leitura e confira essas 5 dicas que preparamos especialmente para você fugir dos erros de iniciante, não perder dinheiro e conseguir ganhar com a bolsa!

1. Decida um valor para investir

O primeiro passo para começar a investir, seja na bolsa de valores ou em qualquer outro tipo de aplicação, é definir o valor que será aplicado. Diferente do que muitos pensam, não existe um valor mínimo para você poder investir na bolsa de valores. Porém, o ideal para quem tem pouco valor para investimento (menos de R$ 1.000,00) é começar por outros investimentos com menores custos, como os fundos, para não ter a sua rentabilidade corroída por taxas, impostos e tributos.

Por isso, o seu primeiro passo para começar a investir na bolsa de valores é definir um valor que não seja nem tão pequeno que os rendimentos acabem sendo engolidos pelas taxas, mas também não tão grande (como todas as suas economias, por exemplo) para que, caso o mercado não lhe favoreça muito, você não venha a perder muito.

2. Entenda os custos para não minar seus lucros

Basicamente, investir na bolsa de valores envolve dois custos: a taxa de custódia e a corretagem. O primeiro é um valor cobrado todo mês para “guardar” suas ações. A grande maioria das corretoras de investimentos cobra essa taxa de custódia e o seu valor costuma variar de R$ 5,00 a R$ 10,00.

Já a taxa de corretagem é cobrada por toda corretora de ações e se trata do custo para a compra e venda de ações — boa parte das corretoras possuem diversos tipos de planos de corretagem.

Essa taxa pode inclusive variar entre fixa e variável. No primeiro caso, a taxa se mantém sempre no mesmo valor, independente da quantia de ações que você compra ou vende. Na corretagem variável, por outro lado, você paga uma taxa de acordo com a quantia de ações vendidas ou compradas. Na maioria das vezes, a taxa fixa é bem mais vantajosa — a corretagem variável é recomendada somente para valores de ações bem pequenos.

Entretanto, se a quantia que você tem disponível para investimento é pequena, como já dito anteriormente, compensa mais começar investindo em fundos, onde o custo dessas taxas é dividido entre todos os cotistas.

3. Decida entre trader ou investidor sócio

Ao investir na bolsa de ações, você deve saber que é preciso escolher uma destas duas estratégias:

Trader

O investidor trader é aquele que tem o seu ganho comprando ações quando estão em baixa e logo depois vendendo-as quando estão em alta, ou então alugando as ações em alta para depois comprar na baixa. Ou seja, esse é o investidor que ganha com a flutuação dos preços das ações.

Para ser um investidor trader de sucesso, é preciso acompanhar diariamente as ações, o mercado e dedicar-se em estudar muito para saber o momento certo de fazer as operações e ganhar dinheiro ao invés de perder. Nessa modalidade, além de você ter a obrigação de acertar na compra ou venda do ativo, é preciso acertar o timing, ou seja, quando realizar a operação.

Investidor sócio

Também conhecido como “buy and hold”, ou investidor a longo prazo, o investidor sócio não compra ações em baixa e as vende na alta, mas busca acumular a maior quantidade possível de bons ativos, que são as ações de boas empresas, independentemente de seu valor.

Como o objetivo desse investidor é acumular ações a longo prazo, seu risco se torna bem menor. Por esse motivo, o preço que será pago na compra das ações é o que menos importa, pois quanto melhor a empresa em que esse investidor escolhe, maior será o seu lucro futuramente.

Que tipo de investidor você será? Se o seu objetivo é obter retorno rápido, ou seja, fazer um investimento de curto prazo, o trader é a estratégia certa para você. Se o seu objetivo é investir a longo prazo e ter resultados mais concretos, mesmo que isso signifique desembolsar um pouco mais de dinheiro no início, o “buy and hold” poderá ser uma boa opção.

4. Escolha a empresa certa

Mas o que determina se as ações de uma empresa são bons ativos para se comprar? Nessa hora, é importante analisar diversos detalhes sobre as empresas com ações à venda para saber se são ou não uma boa opção de investimento. São detalhes como a receita, o lucro, a margem de lucro líquido, o lucro operacional, e o patrimônio líquido, por exemplo, que determinam isso.

A primeira dica para não errar na hora de escolher uma empresa para investir é ler o objetivo da captação, ou seja, para que o dinheiro aplicado pelos investidores será utilizado. Essas informações são encontradas no prospecto do IPO (Oferta Pública Inicial).

Outras informações que você deve analisar sobre as empresas em que pretende investir são as suas demonstrações financeiras, seu nível da governança corporativa e os códigos de negociação (onde ITUB3 é um tipo de ação onde o investidor tem direito a votar na Assembleia Geral e ITUB4 é uma ação na qual o investidor tem preferencia na hora de receber os dividendos trimestrais).

Essas informações podem ser obtidas em diversos sites, como EconoInfo e GuiaInvest, por exemplo.

5. Pesquise a melhor corretora financeira para abrir conta

Depois de definir o quanto você tem disponível para investimento, decidir qual estratégia usar e aprender como escolher as melhores empresas para comprar ações, é hora de buscar uma boa corretora para abrir sua conta de investidor.

A melhor corretora certamente é aquela que lhe oferece as menores taxas, pois assim você poderá obter ganhos reais. Afinal, como já foi dito anteriormente, essas taxas podem corroer o seu lucro.

É preciso prestar atenção às taxas vigentes, principalmente quando o investidor optar por investimentos de longo prazo. Imagine que a corretora que você escolher tenha uma taxa de custódia de míseros R$ 9,90 mensais e uma taxa de corretagem fixa de R$ 15,00 mensais. Parece um custo pequeno, porém se você mantiver sua conta por 10 anos, veja o quanto esses valores podem lhe custar:

Taxa de custódia: 10 anos x 12 meses x R$ 9,90 = R$ 1.188,00

Taxa de corretagem: 10 anos x 12 meses x R$ 15,00 = R$ 1.800,00

Total: R$ 2.988,00!

Por isso, buscar uma corretora que tenha taxas justas é extremamente importante para o seu sucesso como investidor.

Investir na bolsa de valores exige empenho, estudo e dedicação. Ganhar muito dinheiro em um prazo curtíssimo operando na bolsa e sem muito esforço é apenas um mito e pode causar a sua ruína financeira. Saber respeitar o mercado, aprender o máximo possível e acompanhar as altas e baixas é fundamental para ser um investidor de sucesso.

Curtiu essas dicas? Compartilhe nas redes sociais! 🙂

Sobre o Autor

LiveCapital

LiveCapital é um gerenciador de investimentos que ajuda você a controlar online todas as suas ações, derivativos, fundos, renda fixa e outros ativos.