Entenda como o family office atua na gestão patrimonial

Você sabe o que é o family office? Em linhas gerais, trata-se de uma estrutura especializada no gerenciamento do patrimônio de famílias donas de muitos recursos, ou mesmo negócios familiares. 

Trata-se de uma tendência cada vez mais forte no mercado financeiro e, por isso, fizemos este post explicando o conceito, como ele funciona na prática e qual é a sua importância para a gestão patrimonial.

O que é o family office

O family office é uma modalidade utilizada no mercado financeiro para fazer a gestão dos recursos financeiros de famílias com alto poder aquisitivo ou de empresas familiares. Além de realizar a gestão patrimonial, os escritórios especializados nesse tipo de serviço também são responsáveis pela gestão tributária e fiscal, pela sucessão empresarial e a transmissão de patrimônio, pelo inventário, pela educação financeira dos membros do clã e outras funções relativas à saúde financeira da família que os contrata. 

Trata-se, portanto, de uma assessoria completa, que engloba a parte jurídica, contábil, fiscal e de investimentos das famílias que possuem um patrimônio alto e precisam de ajuda para usar o dinheiro da melhor maneira. 

Como o family office funciona e como é feita a remuneração 

Como explicamos anteriormente, o serviço do family office se dirige a famílias abastadas. Quando o patrimônio disponível é muito alto, gerenciá-lo por conta própria pode ser arriscado, já que é comum que se incorra em erros contábeis e até mesmo fiscais. Além disso, sem uma boa assessoria, pessoas leigas podem acabar perdendo dinheiro na hora de investir, por não saberem fazer as melhores escolhas.  

Portanto, a principal função do family office é assegurar que o patrimônio familiar cresça cada vez mais, para que a riqueza possa perdurar ao longo de muitas gerações. O patrimônio financeiro da família pode ser dividido entre dois tipos:

A remuneração do serviço é variável e as taxas são negociadas diretamente com a família contratante. Pode-se optar por trabalhar com uma taxa fixa por horas de trabalho ou por uma taxa percentual dos lucros dos ativos administrados pelo escritório. Existe também a possibilidade de adotar um modelo híbrido, mesclando essas duas taxas de acordo com o tipo de serviço prestado.

Os tipos de family office

Existem dois tipos comuns de family office. Os single family offices são empresas criadas pelos próprios membros da família para cuidar de seus interesses. A vantagem é poder contar com um serviço exclusivo e personalizado, apto a atender suas necessidades específicas. O problema é que o custo de operação de um single family office é alto.  

Já os multi familly offices são assessorias que prestam serviços para diversas famílias simultaneamente. Apesar de haver soluções personalizadas para cada cliente, nessa modalidade não existe exclusividade de serviços. A vantagem é o custo mais baixo, uma vez que já existe um padrão adaptável para vários perfis familiares. 

O diferencial do family office em relação a outros serviços de gestão patrimonial 

A principal diferença de um familly office em relação a outros tipos de consultoria financeira é a dedicação exclusiva ao patrimônio, às finanças, e ao bom funcionamento da estrutura familiar.

Diferentemente dos private bankers e outros tipos de serviços de gestão, que visam somente a atingir os maiores lucros, os family offices também atuam como conselheiros. O serviço transcende o financeiro, já que a missão do family office é prezar pela prosperidade e pela realização pessoal da família. 

Além das questões financeiras propriamente ditas, também estão envolvidas questões relacionadas ao capital intelectual e humano, já que a educação corporativa e financeira é fundamental para a manutenção do patrimônio e para uma boa gestão. 

Onde as famílias com os maiores patrimônios investem

Hoje em dia, o conselho mais comum dado para as famílias de alto poder aquisitivo é correr mais riscos ou comprometer o capital por prazos maiores visando a retornos melhores. Alguns dos investimentos preferidos por essas famílias são os fundos de private equity, aqueles que investem em empresas de capital fechado, que não são negociadas na Bolsa. 

Investimentos no setor agropecuário e na área de logística também estão apresentando um bom potencial perante esse público, bem como os fundos imobiliários. A tendência é que as famílias, para preservar sua riqueza e transmiti-las por várias gerações futuras, se mostrem cada vez mais dispostas a correr riscos em prol de um resultado mais expressivo. E, nessa seara, a assessoria prestada pelos family offices pode ser primordial para nortear os investimentos. 

Você já conhecia o conceito de family office? Já considerou fazer uso desse serviço? 

Sobre o Autor

LiveCapital